Desabafos de Marvão

O convite de um amigo para desabafar na Rádio Portalegre, todas as quartas, às 7.30h, 10.30h, 13.30h, 17.30h, 23.30h, levou-me também a criar um espaço, na blogosfera, onde possam ficar registados os textos da versão radiofónica. Espero que gostem e já agora, se não for pedir muito, que vos dê que pensar. Um abraço...

A minha fotografia
Nome:
Localização: Marvão, Alentejo, Portugal

Um rapazinho de Marvão

terça-feira, janeiro 02, 2007

14º Desabafo – 3 de Janeiro de 2007 – “Os novos ícones da Portugalidade


Entrados em peão no ano novo, é agora altura de olharmos cá debaixo para esses 365 degraus que teremos de subir passo a passo, com renovada esperança e a vontade comum de podermos chegar ao final vivos e de saúde, felizes e a mexer. Na passagem do ano, que no fundo é apenas mais uma noite, mais uma boa desculpa para a folia, fazemos como as cobras e deitamos fora a pele antiga para deixarmos reluzir uma novinha.

No ano novo somos pessoas que queremos ser diferentes que o 2006 já cheira a mofo no fundo do armário, aconchegadinho entre as bolas de naftalina. Seja deslumbrados como o maravilhoso fogo despesista da Madeira (que em apenas 8 minutos abrasou um milhão de moedinhas amarelas de euro!), de smoking no Casino Estoril, na praia de Carcavelos ou nas ruas e praças do nosso país, todos olhamos para 2007 como uma nova oportunidade que temos de agarrar com unhas e dentes. Que assim seja de facto!

Para este novo ano, eu proponho uma revisão daqueles que me parecem ser os novos ícones da portugalidade.

Durante muitos, muitos anos, décadas até, quando Portugal olhava para o nosso Olimpo lusitano, para aqueles que eram os portugueses modelo, os semi-deuses da nação, os exemplos puros da ariana lusa, brilhavam refulgentes, de braço dado e a sorrir, Amália e Eusébio. Se ao Fado e ao Futebol somássemos Fátima, teríamos a sagrada trilogia dos efes que o avozinho Salazar nos deixou de herança. Bastava a envolvência da música, o fascínio do futebol e a fé insuplantável para manter os coraçõezinhos a bater de felicidade. Se nem só de pão vive o homem, com esta receita mirabolante, qualquer um ficava de barriga cheia mesmo se de estômago vazio.

Amália e Eusébio eram talentos natos e não pessoas como as demais. Deus deu-lhes a graça eterna que os tornou maiores que a vida e imunes à morte porque serão sempre recordados com emoção pelos vivos.

O menino nascido há 64 anos na então Lourenço Marques que bem cedo percebeu ter algo dentro dele que os distinguia dos outros, deixou-nos um legado que nem a maior enciclopédia do futebol jamais escrita poderia ensinar a quem de cor a soubesse, por ser impossível explicar de onde brotava a magia que os seus pés descalços desenhavam na terra batida, com uma bola de trapos a dançar por companhia.

Também a fadista cujo corpo descansa agora entre os mais ilustres dos ilustres filhos de Viriato, nasceu com essa dádiva dos céus de poder um dia carregar todo um país, toda uma nação, todo um sentir na sua voz. Amália não se explica nem sequer se ouve. Amália sente-se porque ouvir Amália é saber o que é ser português.

Amália e Eusébio permanecem assim intocáveis e inatingíveis, como que congelados numa imunidade divina que os conservará para todo o sempre.

Ao contrário dos seus antecessores, os novos ícones da Portugalidade não nasceram heróis, fizeram-se heróis; não se limitaram a desenvolver o legado genético que traziam consigo no momento em que caíram da azinheira, tiveram de o criar, de o aprender, de trabalhar para o conseguir.

Apesar de ser filho de pai treinador, José Mourinho nunca deu uma para a caixa numa tentativa mais que frustrada de singrar como jogador em clubes menores. Quando o seguiu pelo seu périplo de Portalegre (cidade que diz guardar com grata emoção), já tinha percebido que não era a praticar mas a organizar e a gerir que haveria de ser grande, contradizendo a velha máxima que só grande jogador pode dar grande treinador. Mourinho não nasceu “the special one” como hoje é conhecido em terras de sua majestade mas soube, desde os seus tempos de tradutor de Robson no Sporting, que com muita dedicação haveria de chegar longe como chegou. Em Alvalade, nas Antas e em Barcelona, Mourinho aprendeu a cartilha inglesa e o que de melhor tem o futebol britânico para dar e foi em terras da Catalunha que acabou a graduação com o sumo da táctica da laranja mecânica, herdada via Cruyff, pela mão de Van Gaal. Sintetizando as duas escolas com a rodagem espertalhona adquirida Portugal fora detrás do pai, Mourinho conseguiu a fórmula mágica que o conduziu ao mais desejado trono do desporto-rei europeu e mundial, arrasando de rajada duas Premier League do mais fantástico e vibrante soccer mundial, deixando boquiabertos os seus detractores. Frontal, brigão, decidido, arrogante e convencido do seu poder, Mourinho é um caso de estudo em todo o mundo pela forma brilhante como motiva, organiza e protege os seus homens, pela maneira como encanta o mundo dos amantes da bola. Contrariando a mentalidade pequenina portuguesinha que não se afirma por ter medo da inveja alheia, Mourinho é um autêntico panzer desgovernado que destrói todo e qualquer obstáculo com uma auto-estima à prova de bala. Mourinho é bom, sabe que é bom e não teme nada nem ninguém ao afirmá-lo convictamente mesmo quando reconhece que até para o fim está preparado. Confesso que não simpatizei com ele de início, que quase lhe fiquei alérgico depois do episódio da traição de Leiria, mas hoje dou o braço a torcer perante um líder que já é uma referência pessoal.

Também Sócrates não nasceu para ser Primeiro-Ministro de Portugal. Não tendo claramente a aura, o carisma, o chama de um Sá Carneiro, de um Soares, de um Cunhal, não sendo um predestinado para a política, conseguiu às suas custas, com muito trabalho, preserverança e espírito combativo, chegar a ser o número um do Governo Português. Nem o mais certeiro analista político vaticinaria que o rapazinho da província que há dez anos era apenas Secretário de Estado Adjunto do Ministro do Ambiente haveria de chegar ao topo, deixando para trás os delfins do Largo do Rato que há muito esperavam que a descendência dinástica lhe fizesse cair no colo o ceptro do poder. Quem não se recorda das míticas ensaboadelas dadas por Santana Lopes quando a RTP foi mais longe que o Zandinga sem saber, ao sentar na mesa de comentadores do Telejornal de fim-de-semana, os dois futuros PM’s de Portugal? Enquanto Santana espalhava charme e clarividência, dizia o que queria com uma pinta que o fazia estar certo mesmo quando estava errado, Sócrates pestanejava, falava com ar ralhão, de olhos esbugalhados e raramente chegava onde queria. Uma coisa é dizer, outra é fazer! Santana foi o triste flop que todos sabemos. Sócrates, apesar das greves e das críticas, escolheu um caminho e corta a direito, não cedendo nem vacilando. O engenheiro criou uma máquina de marketing, não dá passo sem ter a certeza da firmeza do solo e a pouco e pouco vai construindo uma imagem de solidez que faz falta quer nós queiramos, quer não. Bebeu o melhor do padrinho Guterres, o melhor de Soares e criou um modelo ainda em fase de aperfeiçoamento. Certo, sereno, sem fazer concessões seja a quem for que apanha pela frente sejam professores, funcionários públicos ou o próprio Alberto João, príncipe das Madeiras, Sócrates governa o país e o partido com uma mão de ferro que pode ser discutível, é certo, mas é necessária.

(Uma nota para o meu partido: às vezes a melhor oposição, é saber esperar!).

Mourinho e Sócrates não nasceram grandes. Trabalharam e aprenderam para o serem.

A sua lição poder ser um estímulo e um incentivo para todos aqueles que queiram extrair das suas curtas mas profícuas histórias de vida, o melhor que têm para dar. Porque se olhando para o Pantera Negra ou para a Rainha do Fado, ninguém aprendia a marcar penáltis ou a trinar, admirando os novos ícones da Portugalidade, teremos todos a certeza que com esforço e abnegação, qualquer um de nós pode chegar mais alto e ascender onde nunca esperou estar um dia.

2 Comments:

Blogger Bugalhão said...

k

9:35 da tarde  
Blogger Bugalhão said...

Amigo Pedro, depois da "quadratura do círculo", está-me a parecer que, o dito (o quadrado), anda a ficar demasiado redondo. Isto é, o "povo" começa a ficar confuso e a "bota anda a não dar com a perdigota".

Sobre o "homem do sobretudo", estamos de acordo, embora os "aproveitanços da onda" não joguem muito com o meu feitio, isto é, migueis sousas é o que por aí há mais.

Quanto ao "Sr. Engenheiro ( ou também será “agente”) Pinto de Sousa", a coisa pia mais fino.Nem sempre o que parece é, diz o povo e com razão e parecem-me precoces os elogios, aliás nem sei se os merece, cuidado…

O " fogo da madeira" é assim mesmo, o "alberto joão" diz que aquilo é "investimento". Aliás, parece que pelos mesmos motivos, também se fazem "umas fogueiritas" aqui próximo. Têm uma coisa em comum, "são moedinhas de éreos a arder", daquelas que vamos ter de pagar àquela coisa onde a "malta se senta" lá na Alemanha.

Rigor, realismo e resultados (3 erres, diz o C e S) e vamos olhar mais perto. Porque Londres, Funchal ou mesmo Lisboa, são muito longe...agora a Beirã, os Alvarrões, a Portagem ou mesmo os "Escabus" (como diz o Manel) é que a "malta" gostava de ouvir falar na "telefonia", ou mesmo sobre os nossos “heróis” (distritais), porque dos outros há demasiada "gente" a falar...
Um abraço
João Bugalhão

9:35 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home